Alinhamento / Geometria

AlinhamentoAlinhamento / Geometria

Com o passar do tempo, desgastes dos componentes da suspensão, impactos, trepidação, ou compressões laterais acabam causando alterações no alinhamento do veículo. Isso vai fazer com que a barra de rolagem do veículo sofra danos que acarretam problemas em sua estrutura.

E a melhor forma de combater esses danos é fazer o alinhamento do veículo, em média a cada cinco mil quilômetros rodados. Esse tipo de serviço dá mais equilíbrio para o veículo, garantindo segurança e conforto ao dirigir.

Um alinhamento apropriado proporciona um rodar confortável, aderência ideal com o solo, estabilidade tanto nas retas como em curvas, e um desgaste mínimo dos pneus.

O alinhamento das rodas só deverá ser feito após uma minuciosa inspeção de todos os componentes envolvidos, substituindo os que não estão em bom estado.

A precisão do alinhamento desaparecerá no momento que os componentes da direção ou suspensão apresentarem desgaste ou folgas, impedindo que os ângulos de alinhamento sejam mantidos dentro das especificações.

Por isso, sempre que perceber que seu veículo apresenta desgaste excessivo na área do ombro e da banda de rodagem dos pneus, trepidação das rodas dianteiras, volante duro ou direção tendendo para os lados, pode ser sinal de que ele está precisando ser alinhado.

Os veículos ao serem construídos, têm suas rodas colocadas na posição correta de alinhamento, respeitando a máxima eficiência de rolamento, dirigibilidade e esterção. Qualquer mudança que ocorra nessa posição, motivada por impactos (buracos, meio-fio, etc) e pela constante trepidação, frequentemente resulta em desalinhamento das rodas ou outras irregularidades mecânicas que provocam o desgaste excessivo e anormal.

Quando fazer o alinhamento?

* a cada troca de pneus;

* quando os pneus estiverem apresentando desgaste excessivo na área do ombro;

* desgaste da banda de rodagem (quando o pneu estiver escamando);

* trepidação das rodas dianteiras;

* vibração do carro;

* quando o volante estiver duro;

* quando o carro tende para os lados quanto o motorista larga o volante;

* quando o carro desvia ou puxa para um lado quando os freios são acionados;

* em condições normais, a cada 5.000 km rodados.

 

 ITENS ANALISADOS (LEITURA) NA GEOMETRIA:

 

Convergência

É o ajuste das roconvergencia e divergenciadas direcionadas, de modo que fiquem mais fechadas na extremidade dianteira do que na traseira.

 

Divergência

É a condição oposta à convergência. Neste caso, as rodas estão mais abertas na extremidade dianteira do que na traseira. Se os valores especificados para a convergência ou divergência das rodas estiverem alterados, a banda de rodagem dos pneus apresentará um desgaste irregular em forma de “serra”, que provocará um alisamento acelerado da banda de rodagem.

 

Divergência na curva

divergencia curvasPara fazer uma curva, a roda dianteira interna (com relação à curva) deverá esterçar mais do que a externa, a fim de produzir a necessária divergência para efetuar esta curva com segurança. Após efetuar a curva, esta situação de divergência deve cessar, retornando ao paralelismo especificado. Se o ângulo de giro especificado para uma roda dianteira estiver fora das recomendações, Todos os pneus do veículo sofrerão um desgaste excessivo nas curvas, em consequência do arrasto a que são submetidos.

 

Caster

caster

É o ângulo de inclinação para frente (negativo) ou para trás (positivo) do pino-mestre ou do braço de suporte do eixo na parte superior, com relação a um plano vertical. O caster é responsável pela estabilidade direcional do veículo. Pouco ou nenhum caster ocasionará um bamboleio na roda, resultando em desgaste acentuado em pontos localizados da banda de rodagem de um pneu. O caster desigual faz com que a roda puxe para um lado, provocando um desgaste irregular da banda de rodagem do pneu. O caster excessivo originará um desgaste total e prematuro da banda de rodagem do pneu.

 

Cambercamber

O camber é determinado pela inclinação da parte superior da roda, para dentro ou para fora do veículo, em relação ao plano vertical. A cambagem pode ser positiva ou negativa. A cambagem excessiva provoca um desgaste mais acentuado no ombro do pneu. Se o camber for positivo, o desgaste será no ombro externo; se for negativo, o desgaste será no ombro interno.

 

 

 

Conte com os serviços da Rodoauto Pneus, que tem os profissionais especializados do mercado.

A Rodoauto Pneus presta serviços de alinhamento do camber, caster, convergência e divergência.

Faça-nos uma visita!